Mostrar 229 resultados

Descrição arquivística
Irmandade dos Clérigos do Porto Documento composto
Previsualizar a impressão Ver:

218 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

Recibos dos annos de 1759 até 1783

Contém ainda documentação diversa relacionada com recibos (ex.: contas, róis de despesas, petições). Existe a indicação de que a documentação foi vista por Teotónio de Queirós, Secretário da Irmandade, em 1839.

[Contas aprovadas]

Para além das contas anuais inclui um Mandado de despesa de formulário impresso, relativo à década de 1880 (sem especificar ano), com preenchimento incompleto e uma cópia de «Mandado para intimação» da Irmandade a respeito da prestação das suas contas.

Obras da Caza

Os fólios finais desta fonte apresentam alguma diversificação do registo informacional, a saber: nos fólios 50 a 52 encontra-se registada a despesa da Sacristia nos anos económicos de 1811-1812 a 1813-1814; e entre os fólios 54 a 75 encontram-se registos relacionados com a administração de legados, mas que foram rasurados. No fólio 75v. encontra-se novo registo da despesa com as obras da Casa da Irmandade, relativo aos anos de 1825 a 1832, pelo que não existem informações para o período compreendido entre 1814-1815 e 1824-1825.
Esta fonte contém termo de abertura (fl. não numerado) e termo de encerramento (fl. 195v.).

Caixa do Nosso Irmão António Rodrigues Souto

Livro constituído por assentos relativos à administração do legado instituído na Irmandade pelo Irmão António Rodrigues Souto.
Esta fonte contém termos de abertura (fólio 1) e encerramento (fólio 198v).

Diversas contas aprovadas

O registo apresenta-se dividido por colunas, nos fólios da receita e nos fólios da despesa. O registo da receita divide-se da seguinte forma: números das verbas, receita cobrada, receita liquidada, receita recebida. O registo da despesa divide-se da seguinte forma: números das verbas, receita efectuada, números dos mandados, despesa liquidada, despesa paga, soma total das verbas. Em termos de conteúdos, a receita cobrada está agrupada entre ordinária, extraordinária e dívidas activas. A despesa efectuada está agrupada entre obrigatória (ordenados; Coro, recitação do ofício divino e missas; missas e sufrágios; Aniversário dos Irmãos, Beneficência; Festividades em que se incluem a festa da Padroeira e o Jubileu das 40 horas) e facultativa (Semana Santa; Festa de S. Pedro; Festa de Nossa Senhora das Dores; Festa de Santo André Avelino; entre outras variáveis de ano para ano). Em alguns anos são ainda registados orçamentos suplementares do lado da despesa.

Resultados 11 a 20 de 229