Mostrar 166 resultados

Descrição arquivística
03. Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira Documento composto
Previsualizar a impressão Ver:

Petição para aprendiz de confeiteiro

Petição de Manuel António Gonçalves dirigida ao juiz da Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira para aprender o ofício de confeiteiro com o mestre Domingos de Sousa, com loja no largo de S. Roque, por cinco anos.

Petições de esmolas

Petição de esmola de Mariana Rita de S. José, viúva de José Rodrigues Pinto, por passar necessidade, dirigida à Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira. Contém aprovação da Mesa e indicação do valor com que seria socorrida.

Receita e despesa

Conta geral de receita e despesa da Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira referente ao ano económico de 1862 a 1863. Acompanha "auto de tomada de contas" da Mesa da Irmandade; auto de aprovação do administrador do Bairro do Rossio; acórdão de aprovação do secretário geral do Governo Civil.

Petição para aprendiz de mestre confeiteiro

Petição de Manuel José Ribeiro, mestre do ofício de confeiteiro, com loja na rua direita ao Rato, defronte das escadas que sobem para as freiras, dirigida ao juiz da Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira, para que seja oficialmente matriculado, como aprendiz daquele ofício, Bento José de Miranda, por quatro anos, por ter estado dois anos com o mestre Raimundo Inácio Lamas.

Escrituras da Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira

Índice das escrituras da Irmandade de Nossa Senhora da Oliveira feitas entre 1727 e 1751. O documento comporta informação relativa ao ano, cartório (nome dos tabeliães), mês, assunto a que respeitava o documento (venda de casas, obrigações, quitações) e nome dos outorgantes.
Inclui breve apontamento sobre a história da Ermida de Nossa Senhora da Oliveira. Está no adro desta Igreja Paroquial, mandada erigir por Pedro Esteves e sua mulher, Clara Geraldes, naturais de Guimarães. Passou ao domínio dos Lava-Peixes da Ribeira, os quais sendo pobres, e não podendo reedificar a ermida que se havia arruinado, renunciaram todo o domínio. Depois do ano de 1646, o prior e beneficiados de S. Julião, venderam o chão da ermida aos confeiteiros por 70.000 réis para a reedificarem e com direito de poderem apresentar capelo, o qual presidiria a todas as funções que se fizessem na dita ermida, vendo-se os confeiteiros obrigados a dar à Igreja Paroquial, como foro ou censo anual seis mil réis e das festas à Nossa Senhora da Oliveira, mil e duzentos réis, da missa só seis tostões, entrando o capelão igualmente com o dito prior e beneficiados em todas as ofertas das festas que pertencem à ermida, a qual foi totalmente destruída pelo incêndio, perecendo nela o seu capelão-mor.

Resultados 21 a 30 de 166