Mostrar 8 resultados

Descrição arquivística
01. Secretariado Nacional do Monumento a Cristo Rei Manuel Gonçalves Cerejeira
Previsualizar a impressão Ver:

Carta circular do cardeal-patriarca aos presbíteros de todo o país

O cardeal-patriarca exorta os presbíteros a anunciar e organizar o peditório do dia 1 de julho em todas as igrejas e capelas do país, que reverterá a favor da construção do Monumento. Informa que o Episcopado Português na sua última reunião plenária resolveu que esta coleta se faça em todas as missas do dia, para que tenha o significado de um plebiscito nacional no qual devem participar todos os fiéis, para que o Monumento seja obra de todo o povo. Lembra novamente o voto de 1940 de todos os bispos reunidos em Fátima, assim como o dever de todos os cristãos de concorrer para a glorificação pública de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Manuel Gonçalves Cerejeira

Carta do cardeal-patriarca de Lisboa

(Fátima) Dá a bênção ao jornal O Monumento, a todos ao que nele trabalham, aos propagandistas, leitores e subscritores; exorta os amigos do Coração do senhor a que apressem a hora em que será completada a realização do Monumento a Cristo Rei e pede ao Divino Coração que derrame a cópia das suas graças espirituais e temporais, sobre todos os que concorrerem para esta obra.

Manuel Gonçalves Cerejeira

Cartão do cardeal-patriarca

Neste cartão está transcrito o texto do termo de abertura do livro de Ouro do Monumento a Cristo Rei, datado do dia da festa do Sagrado Coração de Jesus. O livro de Ouro foi criado para nele serem registados os nomes dos benfeitores mais ilustres.

Manuel Gonçalves Cerejeira

Cartão do cardeal-patriarca

Remete uma medalha comemorativa da inauguração ao P. Sebastião Pinto, assim como duas outras, uma para o P. Fernando Leite que tanto trabalhou para a festa das crianças e a segunda para o P. Cabral que colaborou para o esplendor espiritual. Sublinha que o P. Sebastião devia ser a primeira pessoa a receber, pois foi o apóstolo do Monumento e sem o seu amor e devoção ao Coração de Nosso Senhor, ele ainda não estaria feito. Confessa que na tarde da inauguração quando chegou a casa, exausto, o seu coração estava cheio de reconhecimento e veneração ao P. Pinto e comungava na alegria e ação de graças do dele. "Era a hora de cantar, rezar e chorar".

Manuel Gonçalves Cerejeira

Ofício do cardeal-patriarca de Lisboa ao P. Sebastião Pinto

O autor comunica que o Episcopado Português aprovou os votos dos Congressos do Apostolado da Oração de Lisboa e de Braga e tornou pública essa aprovação na Pastoral Coletiva da Quaresma, de 7 de março de 1937. A ereção em Lisboa de uma imagem Monumental a Cristo Rei tornou-se assim um Voto Nacional. Confia o "honroso mas pesado encargo" ao Apostolado da Oração e determina que o Secretariado do AO de Lisboa deve funcionar como Secretariado Nacional da obra do Monumento ao Divino Coração. Na carta do secretário particular que remete o ofício do cardeal-patriarca são definidas as normas para o depósito das quantias obtidas na subscrição nacional, conforme o prescrito no regulamento das Corporações Fabriqueiras de 1932, aprovado por Decreto Patriarcal de 30 de outubro de 1932.

Manuel Gonçalves Cerejeira

Cartão do cardeal-patriarca

Remete uma medalha comemorativa da inauguração para D. Maria Guilhermina de Vasconcelos e Sousa (Mina). Comunica que já a receberam da sua mão o Eng. Melo e Castro e o Arq. António Lino. Pergunta se poderá entregar uma também a D. Maria da Conceição Pizarro.

Manuel Gonçalves Cerejeira