Mostrar 12 resultados

Descrição arquivística
Irmandade dos Clérigos do Porto Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto Com objeto digital
Previsualizar a impressão Ver:

Officios e responsos

Registo de valores pagos por ofícios de corpo presente (ex.: Irmãos, Bispo, Abade, Ex-Mesário), missas gerais, responsos, exéquias por alma do Papa Leão XIII mandadas celebrar na Igreja dos Clérigos pela Associação Católica do Porto. Apresenta listas de nomes de quem recebe as quantias pelos mesmos ofícios (ex.: Diácono, Celebrante, Mestre de Cerimónias), indicando-se, em vários casos, em vez da quantia, a expressão «grátis».
Inclui uma folha solta com lista de nomes de Padres com anotações à frente de cada um: «deixei recado»; «vem»; «está doente»; «não pode»; «está fora»; entre outras.

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Livro das esmolas pera a Igreja de Nossa Senhora da Assumpção anno de 1732

Vários documentos relativos às esmolas da Igreja de Nossa Senhora da Assunção:
• Termo «(…) de aceitação e obrigação das esportulas esmolas que cada hum dos Reverendos Irmãos desta Irmandade e maes pessoas devottas quizerem dar e aplicar» para as obras da Igreja de Nossa Senhora da Assunção (datado de 25 de Janeiro de 1732), com as assinaturas e indicação do valor dado por cada Irmão.
• «Memoria das esmolas que se vão recebendo como constará do recibo do Reverendo Tizoureiro e entrega dos RR. Procuradores das Recadassoens» (de 10 de Maio de 1733), com uma lista de pagamentos.
• Termo do registo das esmolas dadas pelos Irmãos de 31 de Outubro de 1739, com lista de pagamentos; Listas de pagamentos de esmolas prometidas pelos Irmãos divididas por «esquadras» (ex.: Esquadra da Porta da Ribeira; Esquadra da Porta do Olival).
• «Declaração da despeza que se fez nas obras do novo Templo neste anno que teve principio em 30 de Abril de 1740, e findou em 15 do dito mez de 1741», seguida das listas de contribuições/esmolas dos Irmãos divididas por Esquadras; continuação do lançamento «para memoria» do que se achava «disperso no Livro das contas Geraes do anno de 1710 ate 1759» relativamente às esmolas pagas pelos Irmãos.
• «Memória» de esmolas de Irmãos para a despesa dos primeiros dois sinos de São Inocêncio e São Paulo (1760).
• «Titulo do dinheiro das sortes que vem para poder do Reverendo Tizoureiro da obra para continuar com as ferias».
• Esmolas para as Obras da Nova Igreja de Nossa Senhora da Assunção de 1743 a 1757; «Lembrança das esmolas e bem feitores que as fizerão, e com que ornarão a nossa Igreja, e seus Altares».
• Despesa com o Retábulo de S. José por conta de esmolas recebidas; Esmolas para o Retábulo de Mármore (1768-1772).
• Rol dos Irmãos que deram esmolas para o sino grande (1781).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Livro das Sepulturas da Capela de Nossa Senhora da Lapa

A presente unidade de informação resultou da necessidade de controlar os enterramentos de corpos nas sepulturas da Capela de Nossa Senhora da Lapa. Assim, este livro é constituído por um índice (fólios 1 e 1v); por assentos dos corpos sepultados na Capela de Nossa Senhora da Lapa (num total de 12 tumbas); por um registo de enterramento de um Irmão no Carneiro da Irmandade (fólio 64, 1865-07-19, continuação dos assentos do livro «Termos de sepultura») e por um termo relativo a queixas apresentadas, em 1799-11-12, contra o Porteiro da Irmandade, Francisco da Silva, que contém as obrigações deste oficial (fólios 160 a 161v). Os assentos de sepultura na referida capela (1786-09-03 a 1863-03-18) apresentam, entre outras informações, a identificação da sepultura; a data do enterro (dia, mês e ano); o local de falecimento; o género do defunto; a condição de “anjinho”; a condição de “pobre” – cerimónia fúnebre como acto de caridade –; a condição de Irmão ou Irmã; a tipologia do Irmão (secular ou religioso); o nome, a idade, a filiação, o estado civil, a profissão, o cargo, o título e a morada do falecido; o(s) cargo(s) desempenhado(s) na Irmandade; a relação familiar do defunto com Irmãos (mãe ou irmã, por exemplo); os sacramentos recebidos antes do passamento; as exéquias prestadas pela Irmandade; a data do registo (dia, mês e ano) e a assinatura do produtor do termo (nome do Tesoureiro da Igreja ou do Sacristão).
Entre os fólios 16v e 17, surge solto um papelinho, impresso e manuscrito, relativo ao acto de ouvir em confissão os crentes (Quaresma de 1836).
Esta fonte contém termos de abertura (fólio inicial) e encerramento (fólio 196v).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Dezobrigas

Livro de certidões de desobriga dos preceitos da confissão e da comunhão durante a Quaresma. Os registos são compostos pelo rol das pessoas residentes no edifício da Irmandade e seu Hospital na altura da Quaresma e pela certidão de que satisfizeram os preceitos da confissão e da comunhão. No rol dos indivíduos, para além do nome, podem surgir vários dados identificativos: a naturalidade, a filiação, a função e o cargo, a indicação dos enfermos que se encontravam no Hospital, entre outros. As certidões são geralmente assinadas pelo Presidente, pelo Secretário ou pelo Tesoureiro da Igreja.
Este livro contém termo de abertura (fólio não numerado) e termo de encerramento (fólio 76v).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

1750 Livro das certidões da Missa quotidiana pela alma do nosso irmão Pedro Gomes de Mattos, e dos recibos da tença vitalicia de sua filha D. Mariana Ignacia

Registo das certidões de missa instituídas por alma do irmão Pedro Gomes de Matos e recibos anuais comprovativos da entrega da tença vitalícia a sua filha D. Maria Inácia.
Esta brochura contém termo de encerramento (fl. 93v.).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Esmolas da Lapa e tombo do que pertence à mesma Capella

Antes do termo de abertura, no fl. [1], é registada, com data de 25 de Abril de 1754, a nomeação de Joaquim Pereira Marinho para Protector e Administrador da Capelinha de Nossa Senhora da Lapa, o qual fica responsável pela numeração e rubrica deste livro destinado ao Inventário, receita e despesa de tudo o que pertencer à Senhora da Lapa «(...) sita no primeiro pateo das escadas da porta principal da mesma Bazilica» (de acordo com o termo de abertura no fl. 1). Contém um resumo histórico relativo ao culto e capela de Nossa Senhora da Lapa (fls. 2-3). Índice no fólio 3. Registo da receita (ex.: esmolas dos fiéis, vendas de peças de ouro e prata) e da despesa (ex.: impressão de estampas, cera, ramos para festas, panos, obras). Contas apresentadas ao Secretário da Irmandade. Remissão para o Livro das Contas Gerais da Irmandade no qual estariam registados os valores destas contas. No fólio 84 começa um novo registo da despesa. No fólio 154: «Inventário de todos os paramentos e Alfayas pertencentes à Capella de Nossa Senhora da Lapa da Igreja da Assumpção de Nossa Senhora do Socorro dos Clerigos pobres desta cidade do Porto», 1762.
Com termo de abertura no fl. 1 e termo de encerramento no fl. 198.

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Termos de sepultura

A presente unidade de informação resultou da necessidade de controlar os enterramentos de corpos na Igreja da Irmandade dos Clérigos do Porto. De facto, de acordo com os Estatutos da Irmandade de 1782, estes assentos serviam sobretudo para gerir o tempo que cada tumba deveria permanecer sem receber um novo corpo (Capítulo 30, §. 1, fólios 69v e 70). Assim, este livro é constituído por assentos de pessoas enterradas no carneiro e sepulturas da Igreja da Irmandade dos Clérigos do Porto.
Do cômputo geral das tumbas da Igreja da Irmandade (num total de 76), faltam os registos relativos às sepulturas números 3, 7, 10 e 27. Os registos apresentam, entre outras informações, a identificação da sepultura; a data do enterro (dia, mês e ano); o local de falecimento; o género do defunto; a condição de “anjinho”; a indicação de que a cerimónia fúnebre foi realizada como acto de caridade («(…) Enterrou se pello amor de Deos (…)» ou «(…) se lhe deo sepultura por esmolla (…)»); a condição de Irmão ou Irmã; a condição de Benfeitor; o nome, a idade, a filiação, o estado civil, a profissão, o cargo, o título e a morada do falecido; o(s) cargo(s) desempenhado(s) na Irmandade; o enquadramento do defunto na rede familiar de um dos Irmãos (pai, mulher, criada, entre outros); o meio de transporte utilizado para carregar o corpo até ao local de sepultura (em andas, por exemplo); as exéquias prestadas pela Irmandade; a data do registo (dia, mês e ano) e a assinatura do produtor do termo (nome do Tesoureiro da Igreja ou do Sacristão).
No início do livro, surgem soltos cinco bilhetes de enterramentos datados de 1856-07-12, 1856-08-10, 1859-07-07, 1859-12-09 e 1865-07-06. Estes documentos, impressos e manuscritos, apresentam dados como: identificação do distrito, concelho e paróquia; cemitério onde decorreu o enterro; nome, naturalidade, idade, estado civil e morada do defunto; data do falecimento (dia, mês e ano); causa da morte; tempo que se devia observar para sepultar o corpo; data do registo (dia, mês e ano); assinaturas do Regedor da Paróquia e do Pároco; entre outros.
Esta fonte contém termos de abertura (fólio inicial) e encerramento (fólio 196v).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Peditórios

Registo anual (com divisão trimestral) das verbas provenientes de peditórios. Folhas divididas em colunas: dias; dias de semana; Peditório (parcelas relativas a quantias); Pedinte (parcelas relativas a quantias). Dentro da coluna dos dias da semana é especificado o mês, dia da semana e outras proveniências das verbas dos peditórios (ex.: Semana Santa; Caixinhas; Peditórios do Menino Jesus; Quarenta Horas; Padroeira; São Miguel).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Certidois das missas que se disserão pellos Irmãos da Confraria do Divino Spirito Santo em satisfação da prata e mais trastes que esta Veneravel Irmandade lhe comprou

Livro de certidões das missas celebradas no seguimento de um contrato efectuado entre a Irmandade dos Clérigos do Porto e a extinta Confraria do Divino Espírito Santo. Neste contrato, a Irmandade dos Clérigos comprometeu-se a rezar missas de esmola de cem réis (na totalidade do valor de 285$380 réis), em troca dos paramentos da Confraria do Divino Espírito Santo. O livro é composto de três partes distintas.
A primeira parte (fls. 4v. a 18v.) é composta pelas declarações de intenção pelos sacerdotes da Irmandade dos Clérigos, em que se estabelece o número de missas a celebrar; data; assinatura do sacerdote e remissão para o fólio onde se encontra o registo de que as missas foram satisfeitas.
A segunda parte (fls. 24 a 47) é composta por certidões de missas pelos mesmos párocos que tinham declarado a sua intenção, com os seguintes dados: nome, número de missas celebradas, remissão à declaração na primeira parte do livro, data e assinatura - encontram-se 3 certidões anexadas, enviadas por sacerdotes que se encontravam fora do Porto.
A terceira parte (fls. 70 a 75) é composta por um índice onomástico dos Irmãos que celebram as missas.
No início do livro (fólios 2 a 3) encontra-se um termo explicativo do contrato realizado.
Esta brochura contém termo de abertura (fl. 1) e termo de encerramento (fl. [81v.]).

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Fundo da Capela de Nossa Senhora da Lapa

Inicialmente, a 11 de Agosto de 1787, é registada uma proposta de Fernando José de Figueiredo, Secretário à Mesa da Irmandade, para que o dinheiro deixado à Capela de Nossa Senhora da Lapa em testamento pelo Ex-Secretário José Fernandes Ferreira, assim como outras esmolas futuras dadas à Capela, se pusessem a juros, para que do seu produto se pagasse a festa da Nossa Senhora da Lapa, de acordo com os Estatutos (Capítulo 28, título 3º) e ainda que aqueles juros se lançassem num livro separado dos Legados da Irmandade.
Registo dos rendimentos dos juros do Fundo da Capela de Nossa Senhora da Lapa (ex.: por letras, escrituras) com remissão para os fólios do mesmo livro em que se registam adiante as contas da Capela.
No fl. 9 é apresentado o «Balanço do Fundo» da Senhora da Lapa com data de 1742.
Após vários fólios em branco, a partir do fl. 49v, registam-se as contas de despesa (ex.: esmolas, rosários, cera, música) e receita (ex.: juros, esmolas) da Capela de Nossa Senhora da Lapa, com cálculo de saldo financeiro e aprovação das contas pelo Presidente e Mesa da Irmandade dos Clérigos, com início no ano de 1787 para 1788. Registo de contas organizado por «Deve» e «Ade aver»/«Haver», registados lado a lado, com indicação do nome do Secretário em funções. Até ao ano de 1795 para 1796 a despesa é registada no verso dos fólios e a receita na frente, a partir do ano seguinte a posição dos registos inverte-se (receita no verso e despesa na frente dos fólios). Os registos de contas remetem frequentemente para os fólios de outros livros da Irmandade, como por exemplo: «Conta Geral», «Livro dos Irmãos», «Recibos».
No fl. 145 existe um «Index» com remissão para os fls. 7, 8 e 9.
Com termo de abertura no fl. 1 e termo de encerramento no fl. 146v.

Igreja e Sacristia da Irmandade dos Clérigos do Porto

Resultados 1 a 10 de 12