Collection CDAV - Coleção documental Abel Varzim

Carta de [D.] António [Ferreira Gomes], bispo de Portalegre, para Abel Varzim Oração de Abel Varzim Reflexão religiosa de Abel Varzim Carta de [D.] António [Ferreira Gomes], bispo de Portalegre, para Abel Varzim Obituário de Abel Varzim por [D. Francisco Maria da Silva, arcebispo primaz de Braga] e pagela de... Falecimentos - Rev. Dr. Abel Varzim Carta para o Dr. Abel Varzim Padre Abel Varzim Necrologia / Sufrágios - Rev. dr. Abel Varzim Rostos que vi, mãos que apertei
Results 1 to 10 of 339 Show all

Identity area

Reference code

PT/FAV/CDAV

Title

Coleção documental Abel Varzim

Date(s)

  • 1920-2019 (Creation)

Level of description

Collection

Extent and medium

8 caixas,1362 unidades de instalação; suportes papel e informático (cd, pendrive)

Context area

Name of creator

(1902-1964)

Biographical history

Filho de Adelino da Costa e Silva, proprietário agrícola, e de Adelaide Rosa Varzim da Cunha e Silva, professora primária, Abel Varzim da Cunha e Silva nasceu a 29 de abril de 1902 na Quinta dos Bragas, freguesia de Cristelo, concelho de Barcelos. Em 1912 concluiu a instrução primária, tendo frequentado o Liceu Nacional da Póvoa de Varzim até 1916. Nesse ano entrou no Seminário Menor de Braga e em 1921 no Seminário Conciliar de Braga, onde frequentou o Curso Teológico. Foi ordenado padre em 1925 pelo Arcebispo de Braga, D. Manuel Vieira de Matos.
Por solicitação do Bispo de Beja, D. José do Patrocínio Dias, foi transferido, ainda em 1925, para a Diocese de Beja, sendo colocado no Seminário Menor de Serpa, como professor e prefeito do seminário. Aí lançou a Legião Fulminante para distribuição de revistas e jornais à população e fundou o Agrupamento n.º 38 do Corpo Nacional de Scouts.
Em 1930 deu início ao doutoramento em Ciências Políticas e Sociais na Universidade de Lovaina, Bélgica. Foi nomeado correspondente do jornal Novidades - diário oficioso da Igreja Católica, publicado em Lisboa - a convite do chefe de redação, Monsenhor Lopes da Cruz, mantendo colunas regulares: Cartas da Bélgica, Acção Católica e Vida Social Católica. A permanência na Bélgica permite-lhe contactar figuras marcantes do universo católico, como Joseph Cardijn, e observar iniciativas do movimento e das organizações católicas de universitários e operários. Após a conclusão da tese de doutoramento, com o título Le Boerenbond Belge. L'oeuvre du relèvement et de la grandeur de la classe agricole d'un pays, em 1934, regressou a Portugal, radicando-se em Lisboa.
Em 1933, com o P. Manuel Rocha, estudante em Lovaina, contribuiu para a conceção e o lançamento da Acção Católica Portuguesa (ACP). A ACP enquanto modelo de mobilização dos católicos, a doutrina social da Igreja, a organização do trabalho e da economia e a situação dos trabalhadores constituíram áreas privilegiadas de atuação de Abel Varzim ao longo dos anos 1930 e 1940.
Em 1934 iniciou funções como chefe de redação do recém-fundado jornal quinzenal O Trabalhador, sob a direção de Manuel d'Anunciada Soares. Em 1946 o jornal seria suspenso, sendo retomada uma 2.ª série em 1948, com periodicidade semanal, sob a direção de António Cerejo. Neste período Abel Varzim, para além de publicar textos com regularidade, era o diretor do Conselho de Redação, o qual era composto também por Edmundo Costa, Carlos Branco e Manuel Alpiarça.
Em 1936 foi nomeado assistente geral da Liga Operária Católica (LOC), para cujo lançamento contribuiu decisivamente. Participou, juntamente com operários cristãos, na Cooperativa Popular de Portugal, entre os anos de 1935 e 1947. Diretor do Secretariado Económico-Social da Acção Católica Portuguesa (1939-1948), exerceu também funções como assistente do Centro de Estudos de Acção Social para Universitários (1941-1945), criado junto da mesma entidade.
Foi professor de Encíclicas Sociais, Encíclicas Familiares e Economia Política no Instituto de Serviço Social de Lisboa (1938-1948). Promoveu, entre outras actividades, um curso intensivo para militantes operários cristãos, em 1940, a Festa do Trabalho, no Porto, em 1941, a I Peregrinação Nacional Operária a Fátima, em 1943. Em 1942 traduziu para português a obra de Louis Colens, A Formação dos Dirigentes de Obras Sociais. Participa na 2.ª Semana Social Portuguesa com uma conferência sobre o trabalho e em 1950 promoveu o I Congresso dos Homens Católicos, em Lisboa.
Nas décadas de 1930 e 1950, Abel Varzim manteve várias participações regulares na imprensa. Escreveu no jornal Novidades uma coluna intitulada Impressões de França (1946). Destacam-se ainda os seus textos no Jornal de Notícias, onde manteve uma coluna regular (1942-1947), na revista Lumen (1937 e 1950), onde, aliás, foi chefe de Redação (1948-1950), e no Boletim Oficial da Acção Católica Portuguesa (1948-1950).
Em 1938 foi eleito deputado à Assembleia Nacional, na lista da União Nacional, sem que, cumprida a legislatura, visse o seu mandato renovado para o período subsequente, em 1942. As suas intervenções, incluindo um aviso prévio da sua autoria e as perguntas ao Governo, focaram a organização corporativa, o trabalho e a atuação do Instituto Nacional do Trabalho e Previdência sobre os sindicatos. Já na década de 1940 as suas conferências e iniciativas mereceram a atenção da polícia política. A sua atividade política foi retomada no final da década de 1950, com críticas inequívocas ao regime e à relação mantida entre a Igreja e o Estado Novo de Salazar. O manifesto sobre os serviços de repressão do regime valeu-lhe, tal como aos demais signatários, um processo-crime, do qual foi amnistiado.
Em 1951 assumiu funções como pároco da Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, ao Chiado, em Lisboa. Nessa zona da capital, a prostituição assumia relevo no quadro das suas preocupações sociais e sucederam-se as iniciativas direcionadas para a reintegração social das mulheres que a ela se dedicavam. Em 1954 esteve envolvido na fundação da Obra de Recuperação de Raparigas do Instituto de Sant'Ana - Casa de Recuperação da Quinta do Bosque (Amadora), assumindo funções como assistente, à semelhança do que sucederia com a Liga Nacional Contra a Prostituição, cujos estatutos foram publicados em 1955. Em 1957 o Estado procedeu à demolição das casas de recuperação de raparigas, com Abel Varzim a transferir as iniciativas que lançara para a cidade do Porto, na Casa de Nossa Senhora – Rainha da Paz. Em outubro desse ano pediu dispensa das funções na paróquia da Encarnação.
Depois de Beja, Bélgica e Lisboa, regressou à sua região de origem. No norte do país, as suas preocupações mantiveram-se em torno de iniciativas de reintegração de prostitutas. Se o associativismo, os sindicatos, o movimento cooperativo e o desenvolvimento eram preocupações de longa data, após as tarefas paroquiais ainda se envolveu no lançamento da Sociedade Avícola do Minho (SAMI).
Faleceu em 20 de agosto de 1964.

Name of creator

(1996-)

Administrative history

O Forum Abel Varzim – Desenvolvimento e Solidariedade é uma organização não governamental, constituída em 1996 com o objetivo principal de promoção da cidadania. Desde a sua formação que, entre as suas linhas de ação, se encontra a recolha de documentação sobre o padre Abel Varzim, figura de referência na sua constituição e estruturante na sua denominação e atuação.
A ideia de constituição deste fundo documental surgiu entre os participantes na sessão de homenagem no 30.º aniversário da morte de Abel Varzim, em 1994, com o intuito de preservar a sua memória, através da recolha sistemática de textos por ele produzidos e de testemunhos sobre a sua influência.

Archival history

O Centro de Documentação Abel Varzim constitui um repositório de textos de autoria de Abel Varzim, redigidos nas suas múltiplas fases de vida e de textos publicados sobre esta figura da cultura portuguesa, os quais foram recolhidos sob a coordenação e por iniciativa de João Gomes, presidente em 1996 do Forum Abel Varzim – Desenvolvimento e Solidariedade.
Como organização não governamental, com estatutos de 1996, o Forum Abel Varzim – Desenvolvimento e Solidariedade assume como objetivo principal a promoção da cidadania. Desde a sua formação que, entre as suas linhas de ação, se encontra a recolha de documentação sobre o padre Abel Varzim, figura de referência na sua constituição e estruturante na sua denominação e atuação.
A ideia de constituição deste fundo documental surgiu entre os participantes na sessão de homenagem no 30.º aniversário da sua morte, em 1994, com o intuito de preservar a memória de Abel Varzim, através da recolha sistemática de textos por ele produzidos e de testemunhos sobre a sua influência. Esta perspetiva seria, entretanto, consolidada com a constituição do Forum. Neste sentido, foram promovidos contactos com a família de Abel Varzim, enquanto herdeiros e legítimos detentores, para obtenção de documentos pessoais. O sobrinho-neto, Adelino Mário Varzim Miranda, facultou originais, cópias ou transcrições de correspondência e de outros documentos na sua posse.
António Cerejo e José Gouveia realizaram pesquisas sistemáticas em arquivos públicos e na imprensa no sentido de obterem cópias de textos produzidos por Abel Varzim, assim como testemunhos diretos de seus contemporâneos, intervenientes nas diversas iniciativas por ele promovidas e que com ele colaboraram ou em cuja formação como cidadãos receberam contributos das suas propostas. Essa documentação foi organizada e parcialmente transcrita.

Immediate source of acquisition or transfer

Content and structure area

Scope and content

A coleção é composta por originais, cópias e transcrições de documentos de Abel Varzim, assim como alguns textos que foram produzidos sobre a sua atuação no espaço público entre as décadas de 1920 e 1960. Numa primeira secção são incluídos documentos pessoais de Abel Varzim, como são os casos de orações, poemas, excertos de diário e correspondência. Num segundo conjunto estão contidos textos produzidos no âmbito das suas funções eclesiais, como sejam pregações e conferências, destacando-se a sua atividade na Acção Católica Portuguesa. Uma terceira secção contém documentos resultantes da sua atividade cívica e política, enquanto deputado, opositor à ditadura de Salazar ativista na integração social de prostitutas. As suas publicações, sob a forma de monografias, em colunas regulares de jornais diários e em periódicos da Igreja Católica estão reunidas numa quarta secção. Um quinto conjunto de documentos é composto por estudos, memórias e homenagens sobre a sua figura e impacto assumido pela sua atuação pública. Uma última secção contém documentação sobre o Forum Abel Varzim, enquanto entidade que promoveu a recolha deste conjunto documental.

Appraisal, destruction and scheduling

Accruals

System of arrangement

Conditions of access and use area

Conditions governing access

Conditions governing reproduction

Language of material

Script of material

Language and script notes

Physical characteristics and technical requirements

Finding aids

Allied materials area

Existence and location of originals

Existence and location of copies

Related units of description

Related descriptions

Notes area

Alternative identifier(s)

Access points

Subject access points

Place access points

Name access points

Genre access points

Description control area

Description identifier

Institution identifier

Rules and/or conventions used

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS — ISAD(G): Norma Geral Internacional de Descrição Arquivística. Trad. Grupo de Trabalho para a Normalização da Descrição em Arquivo. 2.ª ed. Lisboa: Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, 2002.

DIREÇÃO GERAL DE ARQUIVOS; PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO DA DESCRIÇÃO EM ARQUIVO; GRUPO DE TRABALHO DE NORMALIZAÇÃO DA DESCRIÇÃO EM ARQUIVO – Orientações para a descrição arquivística. 2.ª v. Lisboa: DGARQ, 2007.

Status

Draft

Level of detail

Partial

Dates of creation revision deletion

2021-05-24

Language(s)

  • French
  • Portuguese

Script(s)

Sources

Accession area

Related subjects

Related people and organizations

Related genres

Related places